quarta-feira, setembro 06, 2017

Amor ao tumulo

Sentar em beira lago, ao final da tarde querendo poder ver mais um por do sol. Quem sabe a escuridão me ilumine e diga-me o caminho a seguir.


Você consegue ouvir o suspiro? Não é lindo? Você não consegue ver o quanto é esplêndido a dança dos mortos?

Eu consigo ver que você quer.
Vejo você preocupado, querendo ir para longe, mas a vergonha e o amor não permite. Sabe, você deveria parar antes de se afogar. É estanho, porém igual.


Um anjo sem caminho.
Um anjo sangrando.
Um anjo que ama aquilo que mais tenta odiar.

Olhando as estrelas querendo saber se ainda estava viva.

Eu perdi minha alma,
perdi minha mente,
perdi os sentidos.
Tudo se tornou vazio perto das estrelas... E talvez eu tenha visto coisa de mais.

As vezes é emocionante.
E tudo que parece normal, te destrói facilmente..

Deixe me sozinha essa noite.  Deixe-me ir. Deixe-me rastejar com a terra ainda fria em minhas mãos...

A noite era suja mas cheia de vida, e eu não sabia. Era belo, estranhamente belo.
Eu deveria estar longe, mas aqui estou. Minha alma consumida pela eternidade, junto ao seus pensamentos.



sexta-feira, setembro 01, 2017

Andarilho


Lembro como se fosse ontem a sensação que tive na primeira vez que te vi.
Ainda jovem, sem saber o que iria encontrar atrás da porta; o coração disparado, mãos que soam frio aumentando a ansiedade e frio na barriga.

Sabia que estava perto, algo me falava que estava muito perto.

 Pular, agarrar, abraçar, beijar... Não sabia o que fazer.
Sua tela ainda com poucos desenhos, me alucina neste momento, cada traço, cada rabisco... E que sorriso maravilhoso... meu deus! Sem dúvidas a coisa mais bela que já vi.

Ao sol... a piscina, a banheira... as estrelas. Qualquer lugar nos encanta. E lá no topo da cidade, quando não há mais nada em nossa volta... a noite se cala diante nossos beijos. 

Uma loucura irreal como foi descrito por amigos. Não nos importa., a intensidade é infinita, surreal, incoerente, ilógico e totalmente estranha a aqueles que não a vivenciam.

Segundos se passam, minutos, dias, meses e anos... a intensidade não muda, percorre as veias e dispara uma adrenalina, como se fosse aquele primeiro dia, aquele primeiro segundo... Aquele primeiro abraço... Aquele primeiro beijo.

Doce andarilho... Aonde quer que você vá; a onde quer que eu vá, sempre terá.. eu e você. 







quinta-feira, agosto 10, 2017

Ei você!




Ei você... que me exita, me tira o sono e me faz parar no tempo.
Lembro do teu corpo ainda nu escorado a janela enquanto fumava um cigarro e me olhava ainda ofegante deitada na cama.
Ei você, que morde meus lábios com tanta paixão enquanto segura meu rosto embaixo do chuveiro. Ah este olhar... me penetra, me puxa, me tira e me alucina.
Marcas no corpo que nunca saíram penetram cada vez mais fundo em tua pele, marcas de uma complexa loucura. 
Ei você que me guarda por onde quer que você vá... 
Ei você, aonde você esta? 

Geórgia Carone

quinta-feira, junho 08, 2017

Aquela montanha aonde só há eu e você


Me vejo em cima de  uma montanha e é final de tarde, estamos ali pela primeira vez. Não sei dizer o que nos fez estar ali, afinal, o sol já se punha e o vento começava a esfriar.

Ainda sem graça de estar ali, sem saber onde olhar.
O por do sol é tão lindo, mas teus olhos me prendem e me faz desejar apenas você próximo a mim. Sua mão acaricia meu rosto, me rouba um sorriso, simplesmente já não sinto meu corpo. É como esquecesse todo o mundo nos teus braços, nada se importasse nada existisse.

Mal sabíamos que ali seria um dos nossos refúgios, um local nosso; e de mais ninguém. Não importa quantas pessoas ou quem for, sempre haverá a nossa memoria moldadas naquelas montanhas.

Não há mais jeito, não a mais formas, meios...E esta decidido... Mas poderia não estar...

E assim irei até o final, ou seria o inicio? Tudo se bate em conflito, tudo é incerto, mas ao mesmo tempo tão certo. É até cômico dizer.
Queria poder saber, até onde. Como é, poder tocar, e por fim entender novamente.
Queria congelar o tempo, bem naquele segundo, enquanto estamos abraçados vendo o sol indo.
Quero de volta o eterno, quero a felicidade, quero a loucura, quero a paixão!
Quero que a insanidade volte a me tomar conta, nos leve para longe aonde possamos nos perder em meios as vontades.

Mas.. mesmo perdida em meio aos destroços; o sorriso em meu semblante se abre ao lembrar da sua mera e nobre existência. O ódio cercado de amor.. não há nada mais complexo. Chego a achar engraçado como seria se algum dia viermos a compartilhar o mesmo teto.

As vontades repentinas, caricias seguidas de enormes episódios de ódio e rancor. Mas afinal...Acho que não teria graça se não fosse assim.
Uma vez me disseram que tudo aquilo é mentira que nunca existiu, eu estaria sonhando?

Bobos, loucos, apaixonados, querendo algo além, algo mais, algo que nos tire o folego e nos leve de volta a aquela montanha aonde só há eu e você.

Geórgia Carone