segunda-feira, julho 25, 2011

Ao passado

Você dizia me amar, que era a mulher mais importante da sua vida. Me fazia juras de amor, provou o teu suposto amor diversas vezes.. Mas toda vez que você voltava para teus amigos inconsequentes tudo se transformava.
O nosso amor não suportaria, ninguém poderia aguentar.. Brigas, ciumes, possessão, alucinações, temor ao inexistente que se tornava presente em nossas mentes.
Quando estávamos fazendo amor, tudo parava, me sentia em completa ternura e compaixão, mas quando tudo acabava você só sabia olhar em meus olhos me nomeando de palavras fortes e grossas como se eu fosse um pequeno instrumento para você brincar. Quantas madrugadas perdi chorando, rezando querendo que tudo muda-se e pude-se ser como é só quando esta nos dois...
Você volta ao seu trabalho e eu volto ao negro.
Depois de todos os xingamentos ainda tinha coragem de olhar com aqueles mesmos olhos dizendo que se arrependia que eu era sim a mulher da tua vida, querendo que tudo volta-se ao normal, mas era tudo parcial. Logo ainda levaria aquele tapa na cara e cairia por fim mais uma vez em meio ao lixo, para que suplica-se mais uma vez, mesmo sendo inocente sempre queria entender essa sua raiva, loucura que o artomenta.

Meus amigos, minha família, dependendo até mesmo meus cachorros haviam me dito, alertado. Mas o que poderia esperar de uma alma apaixonada em completa tentação e fascinação? Por sorte acordei e vi que aquilo era um ciclo vicioso e sem fim, que só me fazia afastar de tudo o que sou, e dos que me querem bem, e que estava procurando em fim apenas um, que não faz a menor diferença. É aquela simples frase: ''damos valor as pessoas que não merecem'' mas por fim, posso dizer... Isso é apenas o passado.

Geórgia Carone

sábado, julho 23, 2011

Um sonho em meio as flores


Eu cai, machuquei e por fim fiquei paralisada... Fiquei contando os que passaram até você me achar. E quando me viu rastejando com todo aquele sangue e me estendeu sua mão...

Eu tinha um sonho bem distante daqui. Bem distante do que sou, de você e de toda essa dor...

Um sonho que não quero que se realize. Pode não parecer fazer sentido, mas, quando sussurra ao meu ouvido meu nome ao luar, quando tira de mim um beijo...

Eu acho que perdi, mas eu não posso gritar o quanto fascino, fico por horas olhando.. E quando atiram flores ao meu caminho tentando me destrair e vejo seu rosto sumindo em meio a escuridão...

Por poucas vezes pude te-lo ao meu lado, sentir sua pele, seu coração acelerado, seu olhar me sugando, consumindo minha alma até a ultima gota.

Eu acho que não poderia soletrar soletrar mais nomes, não poderia explicar toda essa dor, essas memorias novamente. E quando você olha pra mim tudo se perde, e toda essa dor se transforma em conforto em completo alivio.

Queria poder senti-lo, mas sei que se o tive-se não me olharia com o mesmo amor, paixão e afectividade.

Meus amigos que por fim foram os unicos que não tinham me abandonado enquando estava presa em meio ao absmo me olham e por vez não acreditam por ter achado algo assim, por sentir algo assim, porque eles sabem... E um sonho que achei que não realizaria, esta acontecendo bem aqui. =)

Geórgia Carone

segunda-feira, julho 18, 2011

Arco-íris


Jogada sobre as pedras, ela queria encontrar um ponto de equilíbrio entre a insanidade e a razão.

Por alguns dias caminhando sem rumo, querendo achar o sorriso, uma vibração que a fize-se sentir viva. Por alguns momentos da sua vida, sentiu que tudo iria acabar negro, vazio, inactivo.
Mas ela sabia que quando o céu e a terra se encontrarem, tudo iria ficar bem.
Um arco-íris então aparece em meio as sombras, a luz que a ilumina e a alegra. Surge uma magia em sua volta volta, ela vê de longe um homem caminhando em sua direção e por fim os olhares paralizão, ficam sem rumo ou reação. Sorrisos a parte demonstrando completa compaixão e envolvimento. E ela se deixa se consumir.

''Sinto medo, mas por favor não vá embora! Me puxe, me leve com você e me diga que tudo ficará bem. Sinta meu calor pulsando, agora que perdi a sanidade...''

E a escuridão que parecia a dominar agora a assusta, precisando daquele homem, que tirou a sanidade, daqueles olhos brilhando enquanto enquanto a olha em meio ao por do sol, do conforto dos teus braços, ela só quer sentir aqueles beijos, caricias...
Tudo isso a fascina de uma forma inrreconhecivel e a faz por fim querer viver em meio as cores.

Geórgia Carone

quarta-feira, julho 13, 2011

Enfim... Anestesiada


Sinto-me anestesiada.
Pela primeira vez na vida sinto que não preciso esconder nada, independênte do que seja.

Sinto-me compreendida, aceita, e por fim adorada da forma que sou... A presença de algo, distinto, real, porem invisível, que apenas eu posso tocar. Podem chamar de alucinação, percepção apurada, loucura, não importo....

Minha espinha congelando ao me tocar, seus lábios gélidos me esquentam e me fazem perder em meios suspiros. Suas mordidas faz com eu sinta no infinito, aonde mais nada existe, mas quando dou conta de mim, estamos ao luar com sua mão quente acariciando meu rosto, lentamente, enquanto nos perdemos aos olhares, olhares paralisados, profundos e de completa ternura, ao meio de sorrisos dóceis, aonde ninguém deve intrometer.

O meu corpo amolecendo aos poucos com teus beijos cativantes, lentamente vou me entregando, delirando, sentindo por fim sua respiração, teu coração que por vez acelera em uma proporção imensa com uma simples mordida. Os segundos passam, os minutos, por fim, as horas, sem que percebamos. Já no escuro, ainda meio perdidos ao tempo, com o coração a mão nos abraçamos, e ali ficamos parados em troca de mais nada.

Caminhando acendo o cigarro em meio a neblina observando teus olhos ainda mais esverdeados me olhando com uma intensidade incomum, me tirando o fôlego e fazendo com que sinta sede de você. Não há palavras que possam ser ditas, um simples sorriso afectivo já responde tudo, já nos aproxima completamente. Sua presença se tornou algo essencial, me corroeu, me fez ser mais feliz.

Seu jeito meio inocente, sua alma pura, intacta talvez, sua inteligência, sua timidez, me surpreende e me prende a cada dia mais. És algo tão belo, alegre, verdadeiro, que o simples desejo de estar com, abraçar, acariciar, olhar, me consome de uma forma tão única e tão perfeita, que eu posso lhe dizer... Eu não preciso de outra anestesia.

Geórgia Carone

domingo, julho 10, 2011

Estado de emergência

Não há limites. Me permita entrar em sua mente e te por em um estado de emergência. Farei você suplicar, farei você querer e sentir o indesejável.
Me dê a sua mão e vamos para longe.
Caminhando diante a escuridão sinto a impureza... As trevas entrelaça tudo em mim, preciso de ar, mas não há luz aonde estou.
E quando tudo estiver coberto do mal.
E quando eu ir... O que restará?
E quando tudo acabar?
Sinta e suplique, pelo ultimo dia das  nossas vidas
Um dia nublado, solitário e frio
Um dia que eu preferia esquecer, mas não há como escapar.. A pureza, a inoscencia, se foi. Tudo o que quis desapareceu.
E tudo que eu precisava, era de amor.
Não há limites para o sentimento... Então, quando eu finalmente tocar o céu, quando a brisa bater em minha face e eu perder a razão, sentirei que meu dia chegou.

Geórgia Carone

sexta-feira, julho 01, 2011

Carta de uma ninfeta

Sou aquela mulher que seu marido olha todos os dias, pensa todas as noites em quanto fazem sexo, que se veste melhor que você, a que tem a vida que você sonha em ter um dia, com jóias e um cartão sem limites. Me chamam de imoral, fútil, simplesmente pelo fato de gostar das diversões da vida. O que há de errado em querer sexo, orgias, drogas, adoração, ser bela qual o problema? Poderia até ser uma garota de programa, mas prefiro o termo 'ninfetinha'.

Um homem as vezes não é o bastante, quero mais, é como se fosse um ciclo vicioso, quando mais faço sexo, mais o quero. É como se fosse um jogo, um passa-tempo, aonde me divirto dês do primeiro contato no bar aonde os vejo, esses pequeninos tolos, se contorcendo, me olhando, corroendo de desejo por ter uma noite em minha cama. Me mandam drinks, recados pelo garçom, olhares indiscretos. Mas o que gosto mesmo é das festas, com muito champanhe, whisk e sexo! Ah... O bom e velho sexo entre amigos, é isso! o que mais poderia querer?

Por sorte hoje B. me ligou dizendo que fara uma em sua cobertura. Chegando vou para o quarto com B. e G. para uma 'rápidinha' afinal... Ainda temos uma festa a fazer. Suspiros, gemidos, orgasmos, como sempre tudo perfeito. Logo depois os convidados vão chegando, pegando seus copos e se acomodando. No meio da sala um grupo meninas semi-nuas se acariciando, homens encostados na parede com o olhar fixado. Duas cochicham, caminhão em direção ao quarto puxando o primeiro homem que aparecer. De longe com meu cigarro fico reparando os olhares, escutando os gemidos... O sexo, a sacanagem... Posso me afirmar que me sinto a vontade e sou feliz com o que eu sou, tudo esta em seu devido lugar.
E você, para se divertir.. e tudo que deve fazer é se deixar entrar no jogo para ser paralisado pela ninfetinha.

XoXo, Ninfetinha.


Geórgia Carone