quinta-feira, julho 22, 2010

Doce fantasma brincalhão

Sinto algo quebrar o silencio que me rodeia.

A palidez que cobre o semblante, a frieza do tocar.
Os cabelos loiros a quase se platinar.

O olhar inscente, ao toque corrozivo, me fez facinar.
Como um fantasma brincalhão.. O pavor e adoração.

Mas como saber quem és?
Perco-me diante a doce criatura.
Nao consigo ir embora.

Espero me juntar ela. Mas há algo... Algo sombrio que a oculta de tudo.
As percepções humanas não querem dizer mais nada. Ah algo maior...

Venha até mim, doce fantasma.
E sinta-me queimar;


Geórgia Carone

segunda-feira, julho 05, 2010

Presença de um amargo

Presença de um amargo, incoparado, sem sentido...
Um amargo meio doce, meio meigo, com um  jeito carinhoso...

Como não poderia me apaixonar?
Como poderia não desejar? Quero ao menos o tocar...

Tudo é tão imprevisivel, aleatório, sem rumo... sem rezão.
E juro não intender como, quando e os por quês.

E essa incapacidade de não conseguir decifra-lo por inteiro me prende com uma intensidade tão grande..

Mas o que eu poderia fazer? -Como se o eu quize-se. (rs)
Incógnitas, meios, sentimentos, razões, ou até mesmo por falta delas....

Isso tudo me faz delirar e cair em eterna amargura.

 Geórgia Carone