sexta-feira, dezembro 10, 2010

''Viva-Morta''





Desespero já toma conta, não a mais volta.
Um rostinho bonito no meio de Hollywood, roupas de grife, e um cabelo bonito, já não à faz  sentir viva.
Faça tudo que esta em minha volta ir, pois todas as oportunidades da eternidade foram embora eu vejo isso em seus olhos. Seu olhos... seus olhos, posso ver neles. Tudo esta perdido.
Nunca é bom bom o bastante, e o resto da vida? Eu grito e seus olhos me fazem querer morrer. 
Leve-me daqui e faça que eu acredite que tudo isso não é verdade, e que há uma solução. E tudo que eu desejo, me faz ver, o quanto estou sozinha.
Eu nunca vou ser boa o bastante, e tudo que eu faça, tudo que passo, tudo que sinto e vejo, não são reais, eu não os sinto reais! Falta-me ternura! E eu estarei aqui, quando tudo estiver ido, tudo se foi.
E se tudo for mentira? E tudo que eu já fiz, tudo que já passei.
Queria eu achar um jeito de escapar, e de ir para casa. Mas eu não tenho nada...Amigos, família, nem ao menos um bicho que me faça sentir que eu esteja viva. Me sinto perdida.
Viva-morta.. Me faz querer chorar!
Leve-me daqui e me mostre que há uma vida escondida atrás da minha morte.Chorar, seus olhos... ah seus olhos.
Sempre achei que a solidão seria minha casa, meu amor, sempre achei. Mas não é bem assim. Quero viver! Nunca serei capaz de viver? Cansei de ser uma viva-morta, e estou tão sozinha.
Eu estava pensando em como tudo é, e... é tão triste.
Sempre que acordo penso: ''hoje irei viver'' mas continuo morta.  Tire-me daqui e me mostre que essa garota é melhor quando esta viva! Mas como eu poderia viver depois da morte? Eu posso ver em seus olhos: ''Essa garota esta morta''.
E então, tudo se foi. Não há mais escapatória, encare isso. Não é em um copo de Jack's que se achará. E seus olhos... Ah seus olhos... Tudo que eu sei, está em teus olhos.
Minha alma esta longe do conceito de tudo, não a mais como, não há escapatoria, mas eu quero... E novamente tudo se foi.
Chorar, seus olhos, conceitos, vida, morte.
Ah garota morta!

Geórgia Carone

sábado, novembro 20, 2010

Anestesia


Sabe quando nos acostumamos tanto a uma situação que não sabemos o que sentir, pensar, agir, ver ou até mesmo crer?

Ficamos totalmente anestesiados, sem nenhuma reação prevista, simplesmente olhamos para o nada e nos deparamos o quando as palavras, os gestos, os sentidos são vagos e que no fundo, a única coisa que realmente nos preenche é o sentimento.

Mas o que fazer quando estamos em um estado que nem mesmo o sentimento consegue se manifestar e tudo que você se lembra deverá ser enterrado para que não haja mais sofrimento? Tornar-nos-íamos de fato vazios, opacos e sem sentido!? 

Dê fato, a Anestesia para muitos dever ser o que mais desejam, veneram saber controlar o que sente, o seu arredor, as pessoas, os passos, quem sabe os sentidos, mas posso lhe garantir que a agonia de ser um coveiro é solitária, irreal, sufocante.

Ah o sentimento... Sentimento puro, sem culpa, idolatrado, de pai, mãe, filha, filho, neto, neta, marido, esposa, quem sabe, amante! Como é bom velo novamente comigo. 

Quem sabe agora sem vagar pelos túmulos eu posso finalmente reencontra-lo ao outro lado.

Como havia escrito há uns anos atrás, ‘o sentimento é o começo da morte de nossos corações’, e só quem ama de fato sabe o tamanho da dor.


Geórgia Carone

segunda-feira, setembro 27, 2010

Desejo, pavor e alucinação;

Perder o tocar, perder as lembranças e se entregar.

Andando por um corredor escuro, avisto o luar, a noite sussurra o seu nome.
Descalço andando sobre a agua gelada, tudo se perde.

Tudo poderia ser feito, criar uma linda historia, de uma pequena garota que acreditava em sonhos.
Todo dia presenciando o luar, sua face me aparece, e meu corpo se estreme. Sinto-me alucinar.

Um reflexo sobre a agua no anoitecer, a sua imagem se integra a minha, e se vai numa rapidez que nem os deuses seriam capazes.

Grito o seu nome ao amanhecer, e o que me resta é apenas o barulho do vento se perdendo ao tocar o oceano.

Geórgia Carone

quinta-feira, julho 22, 2010

Doce fantasma brincalhão

Sinto algo quebrar o silencio que me rodeia.

A palidez que cobre o semblante, a frieza do tocar.
Os cabelos loiros a quase se platinar.

O olhar inscente, ao toque corrozivo, me fez facinar.
Como um fantasma brincalhão.. O pavor e adoração.

Mas como saber quem és?
Perco-me diante a doce criatura.
Nao consigo ir embora.

Espero me juntar ela. Mas há algo... Algo sombrio que a oculta de tudo.
As percepções humanas não querem dizer mais nada. Ah algo maior...

Venha até mim, doce fantasma.
E sinta-me queimar;


Geórgia Carone

segunda-feira, julho 05, 2010

Presença de um amargo

Presença de um amargo, incoparado, sem sentido...
Um amargo meio doce, meio meigo, com um  jeito carinhoso...

Como não poderia me apaixonar?
Como poderia não desejar? Quero ao menos o tocar...

Tudo é tão imprevisivel, aleatório, sem rumo... sem rezão.
E juro não intender como, quando e os por quês.

E essa incapacidade de não conseguir decifra-lo por inteiro me prende com uma intensidade tão grande..

Mas o que eu poderia fazer? -Como se o eu quize-se. (rs)
Incógnitas, meios, sentimentos, razões, ou até mesmo por falta delas....

Isso tudo me faz delirar e cair em eterna amargura.

 Geórgia Carone

domingo, maio 09, 2010

Olá, pode me ouvir? Quero etender


Olá, pode me ouvir? Por favor não vá, aqui é tão frio e solitário....

Sinto que a algo perdido em mim.
Preciso seguir o caminho da perdição para lhe encontrar e não importa quantas vezes cairei, digam que não conseguirei, irei em frente, eu sei que vou conseguir.
Vou achar você!

Tento intender o quanto preciso de seu amor.
Olá, estou tão sozinha, e meus sentimentos se encontram no seu, como poderia me manter salva?

Encontro você e é tão magico, não quero que vá, e tento intender o nosso amor...
Por todo lado aonde olho, tento etender...

Preciso dormir ao seu lado, sentir o seu cheiro, me acabar em seus braços, preciso do seu amor.

Perdida no tempo, olhando ao redor, aonde se escondeu.
Tento intender.. o amor.

Suspiro olhando os seus cabelos sobre o vento.
Pegue minha mão e venha comigo.
Não me abandone, preciso do seu amor, o meu amor, o nosso amor...

Geórgia Carone