quinta-feira, agosto 10, 2017

Ei você!




Ei você... que me exita, me tira o sono e me faz parar no tempo.
Lembro do teu corpo ainda nu escorado a janela enquanto fumava um cigarro e me olhava ainda ofegante deitada na cama.
Ei você, que morde meus lábios com tanta paixão enquanto segura meu rosto embaixo do chuveiro. Ah este olhar... me penetra, me puxa, me tira e me alucina.
Marcas no corpo que nunca saíram penetram cada vez mais fundo em tua pele, marcas de uma complexa loucura. 
Ei você que me guarda por onde quer que você vá... 
Ei você, aonde você esta? 

Geórgia Carone

5 comentários:

Henrique disse...

Olhando a realidade que nos rodeia, comportamentos, atitudes, falas... Acha que procuramos encontrar amor ou alguém que venha saciar nossos desejos superficiais?

Geórgia Carone disse...

Pq não encontrar os dois em apenas um?

Henrique disse...

Talvez pela praticidade. Imagine a cena que você descreve em seu poema, momento de desejo intenso em um quarto; para a maioria seria o suficiente. Amar é complicado. Mas entre tantos porém, prefiro admirar os sentimentos alheios... Tragicamente reconfortante.

Geórgia Carone disse...

talvez prefira adimirar por ter medo

Henrique disse...

Ou talvez prefira tão somente imaginar como é aquela garota que vez ou outra muda o cabelo, que atrai tantos olhares e demostra intensos sentimentos em seus textos...