sexta-feira, outubro 28, 2011

Carta ao ''Anónimo''

Ah como eu tenho pena destas pessoas, principalmente daquelas que dizem amar, mas caem na sua própria amargura. Diz que o sentimento da amada não é verdadeiro, mas mal sabe que é o próprio que não tem alma, que não sabe nem ao menos respirar.
Alma amaldiçoada, de um ser destroçado em que um dia já teve meu amor. Ser que se diz superior para julgar o outro. Não sabe olhar seus defeitos, e que não são poucos, só sabe dizer o quanto o outro é impuro, irreal.

Maldição que foi jogada, mas que entrou em sua própria vida, que estragou a oportunidade e seu sonho de ter um amor absoluto. Ser que se corroí por dentro por amar uma princesa infernal, como ele mesmo diz. Ser que não sabe o valor real de uma mulher, de uma relação, de um mundo.
A vida não é musica, não é a neve, não é o trabalho, é o amor...
Quem sabe um dia você consiga abrir teus olhos e ver que a sua vida não é mais nada, e nunca mais será.


Geórgia Carone

1 comentários:

Bassa² disse...

Tadinho do anônimo!